terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Alunos de Direito recebem dicas de ministro do Supremo Tribunal Federal


Um grupo de 12 alunos do Curso de Direito do Centro Universitário Moura Lacerda participou, de 19 a 22 de outubro, de uma visita ao Congresso Nacional, em Brasília. Eles assistiram a sessões de julgamento no STF (Supremo Tribunal Federal) e no STJ (Supremo Tribunal de Justiça) e passearam por diversos pontos turísticos, como o Palácio do Planalto, Esplanada dos Ministérios, Catedral Metropolitana de Nossa Senhora Aparecida, Torre de TV e o Museu Catetinho – a primeira residência oficial do ex-presidente Juscelino Kubitschek. Os estudantes também tiveram a oportunidade de conversar com Marco Aurélio Mendes de Farias Mello, ministro do STF, que deu dicas e comentou sobre o futuro da profissão.







Os alunos foram acompanhados pelos professores Ana Carolina Massaro e Fabricio Garcia. Para a docente, as visitas técnicas são constantemente incentivadas devido à relevância em vivenciar a rotina e os procedimentos dos tribunais superiores e da própria organização dos três poderes da República Federativa Brasileira – Executivo, Legislativo e Judiciário. “Quando o estudante de Direito tem a oportunidade de participar de uma sessão de julgamento ou de conhecer uma Casa Legislativa, ele se sente inserido no cenário político-jurídico do nosso Estado e compreende de maneira efetiva os conhecimentos teóricos adquiridos em sala de aula”, afirmou Ana Carolina.






Para Luiza Santos, do 2º período da graduação, a cada etapa da visita surgia uma novidade. “Foi uma oportunidade única para conhecermos as diversidades da carreira que escolhemos. É interessante poder ver, ao vivo, os lugares que os professores comentam em sala de aula e o conteúdo do curso sendo colocado em prática”, disse. A aluna também destacou a visita à Catedral e a sessão de julgamento no STJ como seus pontos favoritos.




quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Semana da Responsabilidade Social - Setembro 2016




Na compra do kit valerá 20 horas atividades complementares

Participação na caminhada mais 20 horas atividades complementares


Arrecadação de folhas A4
   12 a 16 de setembro de 2016




Arrecadação de folhas A4 para o hospital do câncer de ribeirão preto, seja solidário.

Sua solidariedade valerá

2 horas atividades complementares para 100 folhas A4

10 horas atividades complementares para 500 folhas A4




XIII Semana Jurídica 

                       
A tradicional Semana Jurídica do Centro Universitário Moura Lacerda chegou à sua 13ª edição em 2016. A atividade aconteceu no auditório da instituição entre os dias 29 de agosto e 2 de setembro. Um dos palestrantes foi André Menezes, procurador da República em Ribeirão Preto. Ele compartilhou com os participantes alguns casos do Ministério Público Federal no combate à corrupção na cidade. “Não sou habilitado a falar de questões acadêmicas, por isso conto sobre minhas experiências cotidianas. Penso que o processo de aprendizagem se constrói com base em ganchos mentais, dessa forma, acho interessante que o universitário tenha contato com a prática. Sempre acreditei que esse casamento entre prática e teoria deve ser estimulado e é fundamental para a formação profissional”, disse





A semana também reuniu especialistas de diversas áreas que abordaram tópicos como o dano existencial na perspectiva labor-ambiental, aspectos dos Direitos Humanos segundo as estratégias de desenvolvimento nacional e internacional, a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência, ética na advocacia, processo penal como instrumento de política criminal, tendência expansionista dos modelos negociais e a busca da verdade no processo penal.






Participante ativo de todas as palestras, André Iossi Pessini, do 6º período, disse que “não gosta de deixar dúvidas para depois”. “É uma oportunidade única ter contato com tantos especialistas. Aproveito para perguntar, discutir e expor minha opinião. A Semana Jurídica é muito produtiva para os alunos. Eu, particularmente, venho pelo ‘algo a mais’ que adicionarei ao meu conhecimento’”, salienta. Segundo a coordenadora do curso, Carolina Assed, o foco principal do evento foi abordar e refletir sobre temas que são discutidos na atualidade. “Buscamos profissionais do mercado que possuem experiência e competência para dialogar sobre os pontos escolhidos e aprofundar o conteúdo que discutimos em sala de aula”, afirmou.


Seminários


A programação da Semana Jurídica do período diurno do Curso de Direito, que possui formato diferente do realizado no noturno, também trouxe uma pluralidade de temas a serem explorados pelos estudantes. Os alunos apresentaram trabalhos conectados ao conteúdo programático das disciplinas, sob a supervisão dos docentes da instituição. Divididos em grupos, eles discutiram pautas como as causas e origens da violência e criminalidade, análise da obrigação de indenização nos casos de abandono afetivo nas relações matrimoniais e paterno-filiais, cultura do estupro, o impeachment de Dilma Rousseff, entre outras. A atividade aconteceu nos dias 31, 1º e 2 de setembro, no Auditório “Ilka de Moura Lacerda”.





Maria Helena Dias, do 6º período, acompanhou as apresentações de trabalhos pela manhã e as palestras no período da noite. Para ela, o evento é uma ótima oportunidade para quem gosta de buscar o conhecimento. “Com os trabalhos, os alunos desenvolvem pesquisas e se aprofundam em determinados temas. Já com os especialistas, podemos ouvir experiências e ficar ainda mais instruídos”, ressaltou. Além da participação de professores e funcionários, as atividades também contaram com o auxílio da coordenadora do NPJ (Núcleo de Práticas Jurídicas), Soraia Achicar, que elogiou o desempenho dos estudantes. “Percebemos um profundo comprometimento de todos. Queremos parabenizá-los”, concluiu.








sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Para pensar...




Nestes dias:

“Há inadequação cada vez mais ampla, profunda e grave entre os saberes separados, fragmentados, compartimentados entre disciplinas, e por outro lado, realidades ou problemas cada vez mais polidisciplinares, transversais, mutidimensionais, transnacionais, globais, planetários. Em tal situação, tornam-se invisíveis: os conjuntos complexos; as interações e retroações entre a parte e o todo; as entidades mutidimensionais; os problemas essenciais. (Edgar Morin).